Como surgiu

Você já ouviu a frase “manda nudes”?

revengeporn_origem

A primeira exposição indesejada de fotos íntimas aconteceu antes dos anos 2000, quando ainda não havia “selfies”, Orkut e muito menos um serviço de mensagens e fotos instantâneas tão ligeiro quanto o dos aplicativos WhatsApp ou Snapchat. A história é mais antiga e começa no papel: em 1980, a revista masculina americana Hustler, fundada pelo editor Larry Flynt e em circulação até hoje, pediu aos leitores que enviassem fotos íntimas das parceiras para serem publicadas.

A “campanha”, chamada de “Beaver Hunt”, revelava, além das imagens, algumas informações sobre as mulheres e seu comportamento sexual – muitas vezes com o nome atrelado às fotos expostas. O resultado? Algumas imagens foram divulgadas sem o consentimento ou conhecimento das protagonistas, que processaram a revista.

Annmarie Chiarinidiretora de serviços a vítimas da ONG Cyber Civil Rights Initiative, que presta auxílio a mulheres que sofreram pornografia de vingança, também foi vítima do problema e considera esse o primeiro episódio relevante na história do fenômeno. O crescimento dessa pornografia amadora, que hoje é um grande gênero dentro da indústria pornográfica, é uma das raízes do revenge porn. Carolina Parreiras, socióloga e doutora especialista em gênero, família e pornografia, atribui a prática a “qualquer um munido de uma câmera que tire fotos de conteúdo erótico e torne isso público.”

O prazer de exibir e observar o corpo sempre existiu, o que mudou com o surgimento dos smartphones e a internet banda larga foi a facilidade

No entanto, o prazer de exibir e observar o corpo sempre existiu, assim como os “jogos sexuais”, segundo Juliana Cunha, coordenadora psicossocial da Safernet, ONG que defende os direitos humanos na internet. O que mudou com a internet banda larga e o surgimento dos smartphones, que tornaram a rede mais democrática, foi a facilidade.

Agora, o volume desse tipo de conteúdo é muito maior e mais fácil de ser compartilhado, tanto em bairros ricos quanto em favelas e periferias, onde o celular também é a principal forma de comunicação. Para Carolina Parreiras, com o processo de inclusão digital, a exposição do corpo e, junto com ela, a pornografia de vingança, tornou-se algo difundido, sem marcadores de classe.

Natasha Felizi, pesquisadora na área de tecnologia e colaboradora da Coding Rights, organização que promove maior interação entre o conhecimento sobre as tecnologias e o processo de concepção de leis e políticas públicas no mundo digital, diz ainda que tanto as tecnologias de reprodução de imagens quanto a prática de tirar fotos íntimas estão constantemente sofrendo uma evolução, como se seguissem uma linha do tempo. Se alguns anos atrás as pessoas precisavam revelar e escanear as imagens para compartilhá-las, passaram a fazer isso com mais facilidade com as máquinas fotográficas digitais e webcams. Já os celulares com câmera frontal permitiram as “selfies” e os “nudes” com ainda mais rapidez, o que provavelmente vai continuar mudando com o tempo.

Precisamos falar sobre nudes

A prática de enviar conteúdos sexuais pelo celular, antes chamada de "sexting", ganhou novo apelido em 2015. Os "nudes", nome para fotos próprias nuas, além de serem levados na brincadeira e virarem memes na internet, são constantemente motivo de polêmica na mídia.

Em setembro, por exemplo, as revistas Trip e TPM reacenderam o debate quando incentivaram seus leitores a enviar fotos sem roupa pelo chat do Facebook, que seriam publicadas nas próximas edições. As revistas postaram que queriam "vazar" os nudes dos leitores - depois, pediram desculpas pelo termo.

No mesmo mês, o ator global Stênio Garcia, de 83 anos, e a esposa Marilene Saade, de 47, tiveram suas fotos íntimas levadas a público, o que também contribuiu para a discussão na imprensa e nas mídias sociais.
O tumblr
O tumblr “Manda Nude” popularizou a expressão ao criar memes com a frase

Não há registros oficiais sobre quando a pornografia de revanche começou no Brasil, mas um dos primeiros casos que chamou atenção no país foi o da jornalista Rose Leonel, em 2005 – passados dez anos da exposição de suas fotos íntimas, ela ainda tem traumas e até hoje luta para que a pena contra seu agressor seja justa. Segundo dados da Safernet, que presta auxílio on-line a vítimas, as notificações de revenge porn só aumentam. Foram 101 pedidos de ajuda à ONG em 2013, e 224 no ano seguinte, um crescimento de 120%.

grafico
Fonte: ONG Safernet

Em 2013, duas adolescentes cometeram suicídio em um intervalo de quatro dias após terem imagens íntimas suas divulgadas, o que também fez com que a questão fosse mais discutida por aqui. Uma delas foi a adolescente Julia Rebeca, que se matou aos 17 anos. Além da menina, também apareceu com mais força na mídia o caso de Fran Santos.

O caso Fran

A goiana Francielle Santos, na época com 19 anos, tornou-se uma das mais conhecidas vítimas de revenge porn no Brasil. Após ter um vídeo íntimo filmado e compartilhado pelo ex-namorado, em 2013, a garota mudou de visual e até de cidade. Nas cenas, Fran fazia o sinal de “OK” com as mãos em referência a um ato sexual, imagem que foi espalhada em tom de deboche na internet.

Os números registrados acima pela Safernet – assim como os casos que repercutiram nacionalmente -, no entanto, ainda não mostram a realidade do problema no Brasil: “Essas são as vítimas que procuraram ajuda, pessoas que conhecem e buscaram o serviço da ONG pra obter orientação e informação“, diz a coordenadora Juliana Cunha. “A gente provavelmente tem um número muito maior de pessoas que não pede auxílio, por vergonha ou medo.”

POR QUE ACONTECE: 6 Possíveis explicações para a pornografia de vingança →

1 Comment

  1. Oi bom dia eu estou fazendo um trabalho sobre pornografia de vingança e gostaria de saber onde vcs conseguiram essas informações tem como vcs me passaram as referências bibliográficas ou site que eu possa encontrar mais conteúdo desse tema para ser explorado

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s